segunda-feira, 4 de agosto de 2008

Poeta de Veleiros e Florações

Encontrei semana passada com Alexandre Bonafim e, por absoluta falta de tempo, ainda não falei dele neste espaço.
Bonafim mantem o blog Arquipélago do Silêncio http://arquipelagodosilencio.blogspot.com/ , há algum tempo em nossos favoritos.
Bonafim é um poeta de belas imagens, esmero no trato com a palavra, alguns temas recorrentes (a infância, a natureza, o tempo) e uma delicadeza poética ímpar. Bonafim não tem medo do lirismo!
Por enquanto, deixo vocês com três poemas de seu novo livro: "A Outra Margem do Tempo".


Semeio o futuro nas sílabas do meu desassossego
e aguardo, com paciência, o momento de sonhos
maduros. Um dia, um rio vincará, em meu peito,
as cores de novembro, a febre intensa do verão.
Nesse porvir a gestar sementes e chuvas, pousarei
meu cansaço, meu desterro, aplacarei desertos
e tempestades. Tudo em mim será o gosto dos frutos
e das raízes, o cheiro da terra molhada. Um destino
de searas e manhãs, estertor da febre, desenhará,
em minha voz, a hora repleta de enchetes e surpresas.










Há dias em que os pássaros tardam a regressar,
manhãs em que o inverso pousa, em nossas nudez,
as horas da esquecida infância. Nesses momentos,
o crepúsculo nunca se despede de nossos olhos,
as folhas não afagam o vento: somos, inteiros,
uma doce melancolia a gestar as primaveras. Há dias
em que os pássaros são a promessa de um milagre.








Busco a grafia do esquecimento,
para escrever, em meu rosto,
os dias jamais vividos.



Poemas: Alexandre Bonafim
Postagem: André Setti

2 comentários:

Alexandre Bonafim disse...

André, muitíssimo obrigado! Grande abraço.

Anderson Cádor disse...

poemas de primeira...

Bom de ler.