sexta-feira, 9 de novembro de 2007

A Consciência de Zeno.


Alguns escritores ficam mais esquecidos que outros, não são lembrados entre os grandes gênios. Isso não tem importância. Gênio? Isso é bem arbitrário; em outros tempos, como na Idade Média, acho que ninguém era considerado gênio, o que se cultuava eram os iluminados, e não os gênios. Então, acho a genialidade uma coisa difícil de definir, pois é muito abstrato e moderno. ( Sim, sou meio tradicionalista.)
Bom, mas eu queria falar de Ítalo Svevo, escritor que nasceu e viveu em Trieste, Itália.
Teve aulas de inglês com James Joyce e se tornou seu grande amigo. O estilo de Svevo é bem mais convencional que o de Joyce, talvez por isso seja subestimado, mas nem por isso é menos interessante. A Consciência de Zeno é, aliais, meu romance favorito. Pode não ser o melhor, mas é meu favorito. Me fez morrer de dar risada e também quase chorar. Quase chorar é um exagero, mas me falta uma palavra agora para descrever a comoção e angustia que senti em um certo trecho do livro. Ah, tá aí, comoção e angustia. E riso!!
Façam um bem a vocês mesmos e leiam esse livro.

Felipe Stefani.

4 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Felipe, de fato esse conceito de 'gênio' é algo moderno. Se não me engano, esse termo assim definido começou a ser usado bem depois do século XVIII. Não sei como chamavam às pessoas mais dadivosas antes, mas faz sentido que fosse de 'iluminadas' já que a idade média foi tbém chamada 'idade das trevas' (trevas fora...luz dentro). Mas esse conceito de 'gênio' apesar de moderno não é nada atual. Hoje em dia esse conceito misteriosamente se tornou subversivo...tamanha é a ditadura democrática, entendida pela maioria da forma menos sutil, ou por esse novo preconceito para com o que é excelente, ou talvez tbém tão ampla tenha sido a 'rebelião das massas' que essa excelência do homem não popular parece incomodar demais. Odi Profanum Vulgus. Uma pena... pois quem sempre perde é a vida e o homem, não é mesmo?

Rafaela. disse...

Um título "senilidade" me interessou.
Com certeza vou procuar e ler .